DISFUNÇÃO ERÉTIL: tratamento, solução, causas, jovens

Rate this post

Se observarmos um problema que alguém não pode resolver, desde há muito tempo, apesar de que a solução depende, em grande parte, esta mesma pessoa, muitas vezes podemos observar algo realmente paradoxal: o que o sujeito pretende fazer para resolver esse problema é, precisamente, o que faz com que se crie ou mantenha esse problema.

Algumas pessoas tem usado o Potente Extra Forte como tratamento no combate a disfunação erétil, por ser um suplemento totalmente natural e sem efeitos colaterais, principalmente para pessoas que tenham algum tipo de problema cardíaco.


Por exemplo, este tipo de fenômeno que se observa muitas vezes em terapias de casal, onde ambos desejam ter uma boa relação entre eles, mas a forma em que se empenham para que se dê essa boa relação é a que realmente causa a má relação. Também pode observar-se facilmente em ambientes de trabalho: trabalhadores que quisessem estabelecer boas relações com os colegas ou com o seu chefe, mas a sua forma de atuar é o que faz com que essas relações não sejam tão boas como desejam.


Um cliente me explicou na consulta os problemas que tinha com seu chefe por chegar tarde ao trabalho. De acordo com este cliente, chegava tarde porque tinha que deixar sua filha na escola e, em seguida, cruzar-se no carro toda a cidade de Barcelona em hora de ponta. Eu citei uma célebre frase de Albert Einstein: “Se você sempre faz o mesmo, sempre obterá o mesmo resultado”. Então ele me respondeu que não fazia sempre o mesmo, que sempre tentava algo diferente. Me explicou que, um dia, dirigia pela Ronda de Dalt, outro dia, é criada pela Rodada do Litoral, outro dia, pelas ruas principais da cidade, outro dia callejeaba por Barcelona, etc.


Eu lhe eu repliquei que, na realidade, sempre fazia o mesmo: tentar atravessar Barcelona com carro na hora do rush. Neste caso, fazer algo realmente diferente poderia ter sido tentar ir em comboio, em vez de carro, ou tentar combinar com o seu parceiro que fosse ela quem levava a filha ao colégio.


Muitas pessoas que sofrem de Disfunção Erétil acreditam que têm tentado resolver este problema de várias maneiras diferentes, mas, na realidade, estão sempre fazendo algo semelhante. Estão tentando resolver a questão, pensando e analisando os “porquês” e os “cómos”, procurando controlar a situação a partir de suas mentes.


Muitos tentam resolver o problema estudando e planejando suas ações durante o sexo. Calculados com detalhes quais são os atos que podem facilitar maiores probabilidades de sucesso e procuram seguir esse roteiro durante o encontro sexual. No momento do sexo, a sua cabeça está pensando a toda a velocidade. Estão analisando e avaliando cada um de seus movimentos: se o fazem bem ou mal, se vão cumprindo suas expectativas, etc., Sua mente também está pendente de seu parceiro, se parece feliz ou triste, se está gostando ou se você está cansado de tentar ter boas relações sexuais. É como se tivessem uma voz dentro da cabeça, o que lhes vai dando indicações: “…faça assim…, …melhor desta maneira…, …agora você está indo bem…, …agora vai mal…, …cuidado com isso…, …, deverá fazê-lo melhor…, …cuidado que parece que ela está zangada…, etc”. Mas, se eu ouço essa voz dentro de minha cabeça, não me ajuda em tudo. De fato, o que reamente faz é ficar mais nervoso.


Se eu estou aguardando o que me diz da cabeça, não estou suficientemente focado nas sensações que são despertadas no corpo. A ereção está ligada a essas sensações. O sexo está relacionado com o instintivo, com a notar as sensações corporais, com a desfrutar delas.


Muitas vezes, em consulta, ouço homens que dizem: “…é que não consigo me concentrar o suficiente”. Não são conscientes de que tentar “concentrar-se” é um erro. “Concentrar-se” é ir para a cabeça, é uma tentativa de controlar. E o sexo é contrário ao controle. O orgasmo é puro caos.


Se os homens tivéssemos um interruptor na cabeça para desligar o pensamento, seria muito simples superar a Disfunção Erétil.


E vamos para o que dizia Albert Einstein: “Se você sempre faz o mesmo, sempre obterá o mesmo resultado”. Então há que fazer algo diferente, algo realmente diferente, algo que nos ajude a sair da cabeça e ligação com o prazer do sexo.


Leave a Reply