10 dicas para se proteger nas redes sociais

Rate this post

Cerca de 136.985 internautas espanhóis puderam ser afetados por um possível vazamento de dados aberta no caso do Facebook, de acordo com a Agência Espanhola de Protecção de Dados. A rede social também admitiu que cerca de 87 milhões de contas tiveram a filtragem de dados pessoais que permitiu a consultora Cambridge Analytica ter acesso às informações pessoais dos usuários e de seus contatos com a ajuda do aplicativo Thisisyourdigitallife. E o Facebook pode ser repetido”, alerta Lúcia Caro, advogada especialista em direito das novas tecnologias em Oliveira Advogados. Mas, como é possível proteger os dados e identidade pessoais nas redes sociais? Esta especialista oferece seus dez dicas para fazer isso: entre eles, configurar a privacidade das redes e saber como limpar a nossa impressão digital.

1. O que os dados têm apps e redes sociais?

O caso do Facebook foi descoberta a recolha de dados pessoais nesta rede social, através da app Thisisyourdigitallife, que teve acesso ao perfil do usuário e também o de seus amigos.

A legislação europeia de proteção de dados é também aplicável o gigante Facebook, mas o consentimento do usuário tem sido a base para realizar um acesso legítimo aos dados pessoais: a rede social Facebook pede a aceitação de sua política de privacidade a qualquer usuário que queira se juntar a plataforma. Verifique a política de privacidade, já que é no momento em que a aceitação destes termos quando estamos consentindo que nossos dados sejam tratados e armazenados.

2. As aplicações fraudulentas existem

O acesso das aplicações aos nossos dados é limitado e não pode referir-se a qualquer tratamento ou cessão a terceiros. Se cruzam estes limites, como parece ter acontecido no caso Facebook-Cambridge Analytica, você deve saber que o tratamento dos dados já não é legítimo.

3. O caso Facebook pode ser repetido

O escândalo de Cambridge Analytica poderia repetir, ou ter sido repetido, sem que tenha saltado aos meios. Saiba que é uma opção provável, tendo em conta o desleixados que são os controles a que estão sujeitas estas aplicações.

4. Configure suas opções de privacidade

A base para garantir a segurança digital da pessoa é o conhecimento pleno de tudo o que envolve o acesso a determinados aplicativos, programas, sites, assinaturas online, etc. As políticas de privacidade e políticas de cookies estão por todos os lados, pelo que, se queremos garantir a segurança de nossos dados, em primeira instância, deve-se entender o que consentimos que se faça com eles. O primeiro é compreender o tratamento que será dado aos dados, a finalidade e a cessão a terceiros.

E, além disso, é essencial configurar a privacidade nas redes sociais, em especial de todas as que permitam fazer públicas ou compartilhar com terceiros informações pessoais. O nível de privacidade que oferecem os produtos digitalizados deve ser um critério para escolher.

5. Apagar a sua impressão digital é difícil

As redes sociais já permitem apagar o seu perfil de forma definitiva. Por um lado, está a desativação do perfil, o que não implica a supressão dos dados de carácter pessoal. Por outro lado, está a exclusão do perfil, que pressupõe a eliminação dos dados protegidos do usuário dos arquivos da empresa.

Não obstante, o histórico de mensagens com terceiros não desaparece, pois ficaria no chat do receptor dos mesmos. E também não são removidos do arquivo de terceiros os dados que tenham sido cedidos. Nesse caso, o usuário é o responsável por solicitar às redes sociais e às empresas a que cedeu os dados seu cancelamento e eliminação definitiva; fazer uma limpeza completa é uma tarefa árdua e difícil, pois na maioria dos casos, o usuário desconhece quem são.

6. Como proteger seu patrimônio digital?

Ao igual que a herança tradicional, da herança digital é o ato jurídico pelo qual uma pessoa que morre transmite os seus bens, direitos e obrigações para outra ou outras pessoas, que são chamados de herdeiros, com a particularidade de que este patrimônio é exclusivamente adquirido dentro do âmbito tecnológico.

Para proteger a herança digital existem diversas ferramentas. Pode-se fazer referência a ela no documento notarial de testamento, nomeando um testamenteiro, que execute os atos dispositivos que considerem, em seu caso, tais como a desativação de redes sociais, atribuição de bens digitais, etc. Outra opção é optar por uma empresa especializada nestes serviços: existem aplicativos muito econômicas que gerem as redes sociais e cultura digital e são as encarregadas de levar a cabo todas as acções que antes se tenham solicitado e deixado dispostas para o caso em que aconteça uma desgraça.

7. Atualize seus programas

Entre os perigos mais importantes da navegação online estão o rastreamento, vírus e phishing, um crime cibernético de roubo de informações pessoais, como é o roubo de senha de seu computador.

Para evitá-lo, o mais eficaz é manter os programas atualizados e ter um antivírus de qualidade. Além disso, há que fazer download de aplicativos, ou programas sempre a partir do site oficial, pois, caso contrário, é provável que estes estejam infectadas com o vírus.

8. Evite a wifi pública

A navegação através de uma rede wi-fi pública é melhor evitá-la pelo risco que isso implica. Mas se você se conectar, é aconselhável fazê-lo utilizando uma rede privada virtual.

9. Compre online com segurança

Além disso, se você está comprando na Internet ou se dará informações confidenciais, você deve sempre certificar-se de que a página web contém a URL das consoantes “https” em vez de “http”, pois são páginas com um padrão de segurança mais elevado.

10. E entenda que a proteção digital 100 % não existe

A proteção total no domínio digital é complicada. Não obstante, é possível minimizar a informação e o rastro que deixamos, bem como prevenir e minimizar os riscos de ataques indesejados de terceiros. Para isso, é essencial conhecer e adequar às nossas necessidades das configurações de privacidade que oferecem os produtos e serviços digitais; manter atualizados os programas e software; fornecer apenas a informação que seja essencial; navegar em páginas que sejam seguras; e instalar um bom antivírus.